Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Reflexões num posto de abastecimento de combustível em tempo de "crise energética"

09
Ago19

cepsa.jpg

 

Chegámos às 23:30h... dois carros à nossa frente para abastecer num posto da A22.

Pensámos "isto está a correr bem, vai ser rápido". Estranhámos, no entanto, quando vimos uma fila de pessoas junto à caixa. Um olhar mais atento permitiu-nos ver que nenhum dos carros, em cada uma das 6 bombas, estava a abastecer. Intrigados, aproximámo-nos da caixa de pagamento, engrossando a fila. O sistema eletrónico tinha bloqueado as bombas e aguardava-se que fosse reposto.

Porque é que isto aconteceu?... perguntam vocês... ingenuidade, problema informático ou azelhice?

Chamado o supervisor do posto de abastecimento o problema persistia e depressa se percebeu que era azelhice.

Para estupefacção de alguns (nós incluídos), vimos que havia condutores cujos carros estavam no fim da fila e que iam em passo acelerado para a caixa para garantir... e assegurar sem sombra de dúvida o seu abastecimento (já que não podiam encher os jerricans que traziam nas malas dos carros) esquecendo-se do óbvio, (até para um miúdo) isto é que só poderiam abastecer depois de todos os carros à sua frente o terem feito... ainda não se ultrapassa nas bombas de gasolina.

Foi a confusão geral. Azelhice de quem? Do chico espertismo serôdio de alguns condutores ou do funcionário de serviço que aceitava o pagamento de qualquer um, independentemente do lugar que ocupava na fila.

Ajuíze por si, caro leitor.

Este episódio levou-nos a refletir sobre a falta de nexo do que estava a acontecer. Seria uma questão de "falta de escola"? É certamente, pois os currículos têm andado desfasados da realidade como se comprova amiudadas vezes. Isto mostra bem o gap que existia e perdura entre a escola e a sociedade. Por muito que o poder político culpabilize a classe docente, são os políticos os responsáveis pela política educativa, ontem como hoje.

A opinião não deve sustentar-se no "parece que", no "achismo vago" e cada um de nós tem o dever de PENSAR, leia-se refletir com base em dados concretos e a partir de uma visão global e abrangente dos factos.

Preocupa-nos que os jovens não sejam ensinados e que a azelhice se repita ciclicamente sem que as instituições e as políticas que as norteiam respondam a estas urgências.

Absolutamente estúpido e caricato... nada justificava aquilo que estávamos a experienciar. Em circunstâncias normais em 5 minutos teríamos abastecido. Não fora o país estar "em crise energética" e nada disto tinha acontecido, o que mostra o caos que os políticos criam com recomendações alarmistas que têm um efeito quase devastador nos que não foram ensinados a PENSAR.

 

PS. Só conseguimos abandonar o posto de abastecimento à 1:36 da madrugada. Assim se desperdiçou uma noite de férias no Algarve.

 

by influenciadores | work in progress

2 comentários

Comentar post